terça-feira, 15 de janeiro de 2008

'O pôr do sol' II

‘O Pôr do sol’ II


O sol vai embora de Goiânia
triste
Por essas manhãs cinzas
(Sozinhas)
E deixa a sós,
às manchas de sangue
no horizonte celeste,
As pessoas.

O sol vai embora
mas volta sempre
Por esperança
Como o crescer da criança,
O a cada dia permanecer.

O sol vai
voltar
E ainda vai
Chover
E vai
Só vai...

Me leva contigo pra bem longe daqui.
Me leva pra onde eu reaprenda a sorrir.
Me leva por favor mas, se não puder
Por acaso; por arcar com as conseqüências,
Vá e me deixe apenas
A metáfora concreta da dor.



Juliano Berquó Camelo



Comentem o I e em seguida o II, por favor.

Eu bem me lembro que a última estrofe
me veio na mente enquanto eu estava na ilha
da avenida T-9, na altura do colégio WR,
voltando pra casa não me lembro de onde.
Algum dia de maio de 2007.
O sol tava forte no horizonte,
bem alaranjado já...
umas 18:30,
hora do rush...
Cheguei em casa
e escrevi rapidamente,
antes que eu me esquecesse.

Obrigado
E boa noite.

4 comentários:

Rafael da Costa disse...

Gosto do seu romantismo, cara...

Não o romantismo que todos conhecem, mas o romantismo " do segundo ano " mesmo, o idealizador e que descreve perfeitamente... infelizmente, eu não sei admirar a cidade muito bem...

Felipe Venturini Arcêncio disse...

Gostei muito , passa a sensação pelas veias ... Profundo , romantico ... maravilhoso
Parabéns !

"E deixa a sós,
às manchas de sangue
no horizonte celeste,
As pessoas."

Genial

Anônimo disse...

As características da 'mulher existente' valem sim, se não os poetas não as descreveriam.

É impossível destruir um amor, mas possível é esconde-lo.

"já faz um tempo,
eu nem sei quanto tempo faz"

nanda

Anderson de Oliveira disse...

"O sol vai embora
mas volta sempre
Por esperança"

Eu tb acredito muito nisso, Berquó, acredito até demais as vezes, e acabo vendo um retorno falso do sol, ou seja, uma esperança sobre algo em que não se deve mais acreditar...

Eu ainda não escrevi sobre isso, mas o amor mais doloroso e o mais profundo é sempre o impossivel, e esse eu vivo em meus ultimos dias por uma garota que pode ser a garota da minha vida... Ou essa ultima afirmativa pode ser mais uma impressão falsa da volta do sol...

Aguarde em meu blog algo mais profundo sobre o amor... de momento, passo aqui para admirar a forma com que descreveu o amor neste poema... profundo, sincero, moderno... imprecisamente descritivel, mas com certeza muito bonito!!!! Parabéns, meu amigo poeta!!!!!