quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Canção do Auto-Exílio




"Canção do Auto-Exílio"

Minha terra teve ouro,
Onde hoje já não há;
Gorjeiam aves de agouro,
Por ora, a sorte é má

Nosso céu tem mais fumaça
Nossas várzeas mais esgoto
Nossos bosques, mais um corpo
Nossos jovens, mais um morto

Em andar, sozinho, à noite
E em toda esquina encontrar
A antessala do fascismo
Nossa “República de Weimar”

Minha terra tem horrores
Que não mais quero encontrar
Caminhar no escuro, à noite
Pagando pelo prazer lá
Minha terra tem tristezas
Que o peito tem de aguentar

Não permitirei que eu viva
Sem que eu veja o que há,
Sem viajar, na vida alhures
Outros modos de ser e estar
Que eu viva longe da neurose
Num lugar que eu possa amar

sábado, 10 de fevereiro de 2018

Preconceito dos "Inteligentes"

Preconceito dos "inteligentes": desconfiar que a ignorância é má vontade para com a inteligência, e não falta de inteligência mesma.

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

O Sacrifício do Primogênito

Bem mais de uma vez na vida eu vi sacrificarem o(s) seu(s) primogênito(s) em nome de um ideal de si mesmo. Ter no mundo um filho: daí fala a voz gutural, a mais profunda e tenebrosa que alguém pode sentir dentro de si e que nos impulsiona, compele, obriga, subjuga diante de uma meta, um desafio, uma "necessidade férrea". Depois de vencidos os desafios, cumpridas as metas, satisfeitas as necessidades (que já não se apresentam assim tão férreas) — o sacrifício já está feito, não nos é dado lamentar ou nos arrepender: há que se seguir adiante. Em outras palavras, as gerações vindouras são fiadoras da coragem, no fim das contas, de criar um novo mundo (um novo universo psíquico na mente dos pais, por conseguinte, uma nova realidade de relações de produção da materialidade da vida, etc. etc...). Essa conta — pagamos com amor.

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Feliz 2018

A: Essa é a urna do meu pai...
B: E onde fica o buraquinho pra colocar os votos?
A: É uma urna funerária! As cinzas do meu pai estão nela!
B: Mas onde está o buraquinho pra colocar os votos?!

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Paráfrase V



Para um dia de verão – Sede como o jambo, que perfuma a boca que o morde.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

10 Anos de Blog: "Leoa"


Comemoro neste mês 10 anos publicando neste espaço. Mais de um terço da minha vida esteve por aqui registrado, o que para um fiapo de poeira pairando no ar, um grão de fuligem que se desprende da grande fogueira... -- que dimensão possui o ser humano diante da vida, que outra escala eu me utilizaria para medi-lo, senão esta? -- é, considerável, apesar de discutível. Aprendi a falar, logo, não me calam; aprendi a escrever, portanto, em silente solitude, por puro desprezo a você, leitor, este ser que nem existe ("non legor, non legar" foi o que li em algum lugar...), publico hoje este punhado de rimas pobres que celebram a vida, essa consciente experiência onírica, no geral; e estes meus pensamentos rascunhados, petits faits, canções, poemas e afins. A fonte nunca cessa! Vida eterna: eterna vivacidade é a arte! Vivat comaedia!

Leoa, Leoa

Leoa, o meu rugido não é pra fazer sentido
Eu sou o que sou e grito à toa
Leoa, atravesso contigo os campos de trigo,
O que eu quero é uma vida boa

Leoa, eu já sei que eu sou um rei
Portanto, eu te tomei por minha rainha
Leoa, se esconda embaixo da minha juba
Onde quer que minha sombra te cubra

Leoa, tu és, porém, não estás presa
Entre as minhas garras, eu não amo jaulas
Leoa, eu te persigo à noite, no escuro
Se pra mim és promessa de um grande futuro

Leoa, tu me encontrastes quando descia a montanha
Incendiário, trazia comigo minhas chamas
Mas leoa, eu ainda trago na minha língua
O amargor das minhas cinzas

Leoa, é na relva onde mostro que à selva
O meu domínio é exímio
Portanto, leoa, me chamo leão
Porque eu faço “sim!” mesmo se digo “não!”

Leoa, eu passo minha humanidade adiante
Posto que a minha fonte é incessante
Apesar de minha espécie estar em extinção
Eu sou mais raro ainda a cada estação

Leoa, não tenho outra coisa que não
Muita coragem pra um só coração
Leoa, eu sou puro instinto
Transformo a água benta no melhor vinho tinto

Leoa, há recantos do meu caminho
Que perfaço em prantos quando estou sozinho
E se o faço, leoa, lambendo minha ferida
E porque sei celebrar a alegria da vida

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Narciso é Preciso

Há pouco estive sondando de uma outra mesa um happy hour de jovens senhores, gentlemans, dos médios degraus da maçonaria brasiliense. Reconheci um deles, um antigo colega de trabalho... Eu, que nesta seara, estou mais para rosacruciano, o avesso de um decadént, tal qual um Prometeu -- o que está oculto trarei um dia à luz -- perscrutei com razoável desgosto tal encontro. Eles eram mau-constituídos, feios, desproporcionais -- o que seu instinto compensou em espírito. Talvez esse o motivo maior de seu ódio à vida e à humanidade. Voltando a mim mesmo, não pude escapar da reflexão de sempre ter tido o anseio de atingir a perfeição. Essa era minha obsessão quando adolescente, ainda me recordo. Descobri maravilhado nos idos de 2015 que eu atingira, num equilíbrio de disposição fisiológica, a perfeição como estado natural; longe de ser uma condição de morbidez monocórdica, de perene serenidade de humor, nesse estado perfaço o repertório de afecções que a vida me conferiu, exercito a dialética do meu espírito, aprimoro as faculdades do meu corpo, noutros termos, mantenho uma saúde elevada, grande. Nada há que esperar de uma "vida eterna" -- isso soa mesmo, para mim, como uma morte lenta. Moral da estória: desconfiar, reter forças, até subjugar, se necessário, tudo o que não for belo como eu.

domingo, 22 de outubro de 2017

Dois Pensamentos Sobre a Educação

1. Falando de asseio — Uma esponja que se presta a lavar muitas louças sujas finda por encontrar-se, depois de muito trabalho, suja ela própria, ela própria necessitará ser limpa após determinado tempo. A molécula de sabão, para atingir o ideal da limpeza, carrega consigo aos esgotos as moléculas de gordura. O mesmo princípio vale para a educação. Moral da estória, em linguagem nietzscheana: o homem do conhecimento deve saber limpar-se mesmo na água mais suja...

2. A educação como ideal — O primeiro desafio da educação — pública, no Brasil... mas também universalmente falando — é superar as hipocrisias 1) de supor que o conhecimento tem algum fruto, senão, ele próprio; noves fora os privilégios legalmente constituídos destinados aos monopólios da expedição de diplomas [portador de tal diploma possui tais e tais liberdades de atuação econômica na sociedade, etc.], não há, absolutamente, garantias de que o conhecimento formal, por si só, eleve ou modifique o patamar material da vida de alguém; 2) e de que o(s) conhecimento(s) é/são acessível/acessíveis a qualquer um; que, na diversidade de conformações intelectuais, no acaso do destino de constituições de sujeitos, haja acesso livre a uma compreensão superior de mundo. O segundo, é superar o pressuposto de que, para o desprovido de acesso àquela compreensão, seja destinada uma vida de privações das satisfações básicas da vida — a fome, a pobreza, o não-direito à cidade, à qualidade de vida, etc — ainda que essas condições sejam, ao fim e ao cabo, determinadas pela média das condições socioeconômicas de qualquer sociedade, a compreensão de que um desequilíbrio na balança da desigualdade, para ser mais simples e direto, fará ruir o edifício da sociedade é um dado vislumbrado em uma compreensão superior do mundo. Mas, como já o dissera, há uma inescapável hierarquia da inteligência... — contudo, não me creem, a menos que já o saibam.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Estragando Uma Fantasia...

Eu estrago a minha fantasia se nela visto todo mundo. Igualmente, desgasta-se, torna-se "identidade", familiaridade - aquilo que "conheço" e não mais me inspira vontade de conhecer -, vestindo-a sempre na mesma pessoa. Prudente é, pois que a alegria quer durar a eternidade, que se busque vestir uma determinada gama de pessoas, ou mesmo "coisas", objetos e experiências, de modo que ela, a fantasia, sempre se renove e se mantenha acesa a chama do desejo. Mas muitos pregam uma morte lenta das fantasias... Para estes, minha moral não possui a mínima serventia. E como poderia a felicidade dessa gente que escancara os dentes se confundir com a minha felicidade? Como poderia a minha moral ser a moral de todo mundo? Estragaria, deveras, a minha fantasia.

Privilégio do Casamento

Privilégio dos que se casam - Muitos se conformam à vida conjugal pelas inegáveis conveniências que ela dispõe. Com algum desprezo à verdade, às vezes chamam isso de amor. Contudo, há um privilégio que só é dado aos que, ao menos uma vez, se casaram: poder afirmar que fizeram na vida aquilo que fez dela melhor - divorciar-se. Partindo do princípio, que não é dado a todo o mundo, de que liberdade e autonomia são valores supremos, que proporcionam uma vida forte e feliz. Um sagrado egoísmo, se poderia dizer.

domingo, 1 de outubro de 2017

Princípios de Humanidade

I. Princípio de humanidade: não cobrar das pessoas aquilo o que elas não são capazes de fazer.

II. Tragédia de quem obedece: quando não há quem tenha voz de comando; não reconhecer legitimidade na autoridade leva à revolta ou à displicência.

III. Tragédia de quem comanda: quando não há pessoas que obedeçam; não ser reconhecido por quem deveria obedecer leva à paralisia ou a ineficiência.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Eu Era Um Lobisomen Juvenil

Existe pouca, talvez até nenhuma, coisa mais patética, ridículo atestado de impotência diante da vida, que a intolerância estética, por assim dizer, dos que afirmam o "rock", seja lá o que isso signifique, enquanto identidade. Aqueles que contemplam a diversidade e a acolhem são os responsáveis por um mundo novo, melhor.
Mas não há nada como a experiência. Eu mesmo já fui um lobisomem juvenil...

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

O Pai Nosso Subvertido

Noves fora o analfabetismo funcional que impede uma parcela significativa da humanidade cristã, especialmente no Brasil, de interpretar os seus significados, o texto desta que é a mais completa, perfeita oração do cristianismo, a que foi ensinada pelo pregado, revela muito de seu caráter de advogado dos pobres de espírito e explica em parte o por que padece a humanidade

"Pai nosso que estais nos céus
Santificado seja o vosso nome
Venha a nós o vosso reino
Seja feita a vossa vontade
Assim na Terra como nos céus
O pão nosso de cada dia nos dai hoje
E perdoai as nossas ofensas
Assim como nós perdoamos
A quem nos tem ofendido
E não nos deixeis cair em tentação
Mas livrai-nos do mal
Amém"
[Jesus de Nazaré, Mateus, 6:9-13]

Ora,

1)  "Pai", "padre", "patrão", "pátria": significantes com a mesma raiz linguística. A naturalização da autoridade moral (ou a moralização de uma autoridade natural, como queiram os conservadores, tanto faz) dos que vieram primeiro (pai), conquistaram a terra e os seus recursos (patrão) e estabeleceram a sua sociedade (pátria) e a sua moralidade/modo-de-pensar (padre), transporta para o reino da linguagem a coação física e material a que estão sujeitos os demais "filhos", "fiéis", "súditos", "aprendizes", etc.; 

2) O pai, ele está "nos céus" — um espaço etéreo, construído na imaginação, como quando enxergamos formas e objetos nas nuvens; domínio do universo onírico, pois, é para lá que vão aqueles que morrem: para os sonhos dos vivos — e de lá nos ordena: "Santifiquem o meu nome!, pois, eu sou tal e qual o fantasma, o "espírito santo" (em inglês "holy ghost") que habita o vosso inconsciente, assombrando a todos os que ousam estabelecer uma nova moral, uma nova partilha das riquezas da Terra, novas formas de relações sociais, etc. etc. Ao fim e ao cabo, mantenham as aparências, modifiquem a forma, mas deixem inalterada a função daquilo que criei". De sorte que também aqui, no presente, é feita a vontade do "pai" fundador de uma linhagem vitoriosa de uma determinada forma de sociedade

3) Essa simplificação oferecida pelo monoteísmo semítico, que encarna todas as potências divinas da antiguidade em um único ente, é uma evolução tecno-política do mito: um enredo tal qual o grego, por exemplo, era por demais confuso, conflituoso, enredado em tramas interdeidades que colocam o leitor em posição de espectador passivo, a espera de uma reviravolta política, explosões passionais daqueles deuses... tão humanos; de modo que há um custo psicológico mais elevado, de carga afetiva mais pesada, para que o mito seja assimilado e difundido através de povos mais rústicos, de linguagem, modos e pathos mais moderados que os gregos, estes últimos em avançado estado de organização social e, posteriormente, em decadência — fato evidenciado pela sua conversão ao cristianismo ao fim da fase clássica: um povo "doente" procurando a "cura" (uma etapa anterior àquilo que Nietzsche chama de "grande saúde": decair, procurar o que nos adoece mais; um corpo febril querendo cobrir-se com tecido grosso em um dia de calor); 

4) O pão nosso de cada dia é a ração, a migalha, que vos é ofertada pelos vossos "pais" patrões. Aqui resta evidente o absoluto caráter servil desta religião perniciosa, que cresceu entre os escravos da antiguidade, a ponto de render o Império Romano com Constantino, que percebeu, num senso de oportunidade, a função social desse novo mito que glorifica o trabalho (do latim: "tripalium", um instrumento de tortura que arranca para fora as tripas) diante da consciência dos escravos. Este talvez seja o ponto em que muito pouco mudou ao longo dos últimos dois milênios. O fato de que a mera ideia do comunismo enquanto abolição da propriedade privada/individual dos meios de produzir ofenda tanto o pudor de tantos ainda é um sinal do patamar moral em que estamos. Cabe aqui ressaltar o papel que um esquerdismo condescendente teve na apodrecida democracia brasileira (poderíamos dizer no "ideal democrático do ocidente", dado que é um fenômeno global) para o florescimento de tal abjeto fenômeno; 

5) Obedecer não é tão fácil quanto parece. Isso o sabem os filhos adolescentes, os proletários indolentes. É uma arte tão apurada quanto saber comandar. Não à toa Nietzsche coloca a obediência como um afeto nobre [contudo, partindo do pressuposto que a autoridade de quem comanda é legítima]. Nesse contexto, em que poucos podem [têm o poder de] obedecer, comandar e criar novas ordens, é recorrente o pedir clemência, buscar indulgência: "Perdoai as nossas ofensas... Eu desejei sua mulher, pai, uma virgem santa, e não pude superar a vergonha e o horror de tal feito, é preciso que um deus muito vingativo me puna, e um mesmo deus muito amoroso me perdoe, porque me compreende, de mim se compadece, sofre comigo. Eu também me revoltei contra meu senhor, meu "patrão", pois, cobicei de sua riqueza. Logo ele, que é quem permite que eu coma e viva! Eu me rebelei contra a moralidade, padre, quis o paraíso aqui e agora; eu tornei-me proscrito em minha terra, desejei conhecer paisagens e novas paragens dos povos vizinhos de língua estranha e belas dançarinas de misteriosos olhos entrevelados; por tudo isso, eu peço perdão! E perdoai também àqueles que me atacaram enquanto me dominava a furiosa paixão de meus anseios! Ou ainda os que me atacaram possuídos pelos anseios deles. Perdão, perdão, perdão!" — Para que haja perdão é preciso haver — culpa. Uma máquina de produzir culpas: é a isto o que chamam de pai os cristãos. É preciso ser muito rico de espírito, ser dotado de profunda introspecção, afiada inteligência dialética, rigorosa honestidade de caráter para não ser cristão. Inclusive, bom gosto e instintos saudáveis para sequer ser capaz de tolerar o espetáculo horroroso do espírito de rebanho... Todavia, quero evitar falar de mim;

6) O diabo, aquele que possui as mais amplas perspectivas de deus, pois, dele mantém-se distante*, consubstancia-se no conhecimento. Desde sempre, foi proibida somente, em princípio, a verdade, a sua busca, a sua rota, o seu desejo. Instigar a conhecer a verdade, o "outro lado do muro", o oculto, a "pia fraus", o comunismo, a subjetivação subversiva do sujeito consciente na produção da história [a grande contribuição do marxismo para a humanidade], o sexo diverso, por puro prazer e luxúria, etc é a arte que domina Lúcifer, o "portador da luz". O próprio nome — por mais óbvio que seja e que isso tenha sido comentado apenas indiretamente em um único livro é um espanto — "tentação" tipifica em um único artigo o crime: tentar! Aqui a importância cabal da castração do instinto sexual desde a infância para a manutenção deste modelo de subjetivação, que produz proletários, não operários. A libido sexual, primeira e última, única, segundo Osho, energia do espírito humano, é a chave para o controle de todos os demais anseios e pulsões de vida do corpo. A minúcia com que se descreve este processo por Reich, e o ruído, murmúrio ao seu redor após décadas, é outro dado que atesta a decadência da humanidade: prefere-se crer naquilo que é a doença de milênios... Como diria Zaratustra, é uma religião que prega a morte, ops!, a "vida eterna"

7) "Mas livrai-nos do mal. Amém": que significa: "que assim seja"! Há aqui alguma honestidade na linguagem, conferindo ao acaso dos acontecimentos, o caos, algum poder decisório no universo. Após um potente esforço da vontade do espírito — "seja feita a vossa vontade", "não nos deixeis cair em tentação", etc. — reconhece-se que, no fundo, tudo depende de que o universo nos seja generoso em sorte! Ah, soubessem os cristãos que este deus punitivo, com tal vacilante amor, é tão impotente e frágil... Este deus não fora feito à imagem e semelhança de uma espécie de humanidade? Mas muitas outras são possíveis!

Pobre de ti, nazareno, que morreu pregado entre ladrões, abandonado por teu pai, nada deveria ofender mais tua memória que o desvirtuamento da tua oração — e que ainda hoje ela viceja na boca de quem te crucifica!