sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

A José Roberto Arruda



A JOSÉ ROBERTO ARRUDA
*


José Roberto Arruda
Tua sina faz-se clara
Não bastou bancar a câmara
Pra limpar tua cara suja.

Arruda, não bastou
Superfaturar as obras do Metrô,
Teu criador** já está vindo
Devorar tua carcaça.

Arruda, as ameaças
De teus escravos aos protestantes
São apenas aditivos
À luta incessante.

José Roberto Arruda
É tua sina, teu calhorda!
Agarra-te à corda
E mergulhe ao suicídio.

José Roberto Arruda
Este foi só o início,
A aurora da justiça.

Postiça é a moral
Dos que admiram
O seu suplício.

Tua hora é agora,
José Roberto Arruda.
Pandora te reserva
Uma cela na Papuda.


Juliano Berquó.





*Faz referência à um trecho de um grande poema, "Dentro da Noite Veloz",
de Ferreira Gullar (Trecho abaixo):

"Ernesto Che Guevara
Teu fim está perto
Não basta estar certo
pra vencer a batalha.
(...)"

Claro, Arruda não é Guevara.
São dois pólos opostos.

E Juliano não é Ferreira,
são duas potências diferentes
mas, de pólos iguais.

**A referência à Joaquim Domingos Roriz não significa minha simpatia política à este. Muito pelo contrário. Este é um blog historica e declaradamente Educacionista. Também estou na batalha pela educação como motor do desenvolvimento.

Um comentário:

Anderson de Oliveira disse...

Que a honra seja a bandeira da poesia, contra o mundo da mentira e do ódio! Abraços meu grande amigo, seguiremos firmes na luta sempre!