segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Minhas mãos

Minhas mãos


Minhas mãos estão vazias
mas não estão presas.
Comigo nenhuma arma
(Nenhuma certeza),
Mas há a força de milhões
como nos ônibus às seis da manhã.

Minhas mãos estão leves
mas estão sem
ilusão
É o silêncio lá fora:
Todas as armas
sem nenhuma paz.

Minhas mãos estão abertas
e estão fechadas
E o tempo não mais se aplica
a mim.



Juliano, 'SEMPRE EM FRENTE', Berquó Camelo;

"Dedicado ao homem só,
seja ele quem for,
esteja onde estiver..."
nº3

*Já estava no orkut,
Agora no blog também.

Um comentário:

Anderson disse...

"Minhas mãos estão abertas
e estão fechadas
E o tempo não mais se aplica
a mim."

Vida. Isso é fundamental. Seguir com vida, exaltar a vida que existe em sua existência, porque enquanto vivemos não somos engolidos pelos ventos cortantes do tempo.(foi assim que entendi ouquis entender o ultimo verso)

Uma estrutura poética e de letras simples, que revela um conteúdo essencial para uma reflexão do cotidiano...

Berquó, mais um trabalho seu muito bom que eu não vou deixar de elogiar, como os outros que ja comentei.

Abração!