sábado, 5 de junho de 2010

Não se guarda flor no bolso


Isso não é um poema
É no mínimo um canto
no máximo um grito
no entanto, escrito.


Não se guarda flor no bolso

À Darcy Ribeiro, Anísio Teixeira, Cristovam Buarque
e tantos outros que trabalham
e trabalharam pelo Brasil que haverá de vir.
À Universidade de Brasília, enfim.


Não se guarda flor no bolso.
É um alto risco de um alto dano
como se guardassem por baixo dos panos
a paisagem tropical, o amor..

Roubada de um canteiro desta universidade
onde a liberdade sempre mais é o anseio
Não se guarda dor no peito
Nenhuma flor no bolso.

Não se guarda o poema todo
na ponta da caneta:
ele arranha e se irrita,
faz que vai mas fica
engatilhado no átrio esquerdo

Não há tempo imperfeito
pra se lutar de coração...

Juliano Berquó.

E também, dedicado à todos nós,
os pequenos nomes, que lutam a cada dia
por uma universidade e um país melhores.


*Foto de minha autoria:
"Flor vermelha no ICC norte, UnB",
Fevereiro de 2010.

2 comentários:

Anderson de Oliveira disse...

"Assim como o rubro, tão forte, da flor,
É rubro o poema
É rubra a luta
E bela, e bela, e bela..."

Como esta flor-poesia é digna de sua imensa beleza!!!

Poema maravilhoso, meu amigo!

Grande abraço!!!

De um amigo e poeta,
Anderson de Oliveira

Anderson de Oliveira disse...

"Assim como o rubro, tão forte, da flor,
É rubro o poema
É rubra a luta
E bela, e bela, e bela..."

Como esta flor-poesia é digna de sua imensa beleza!!!

Poema maravilhoso, meu amigo!

Grande abraço!!!

De um amigo e poeta,
Anderson de Oliveira